Blog

A Política e os Meios de Comunicação Social

Hoje mais que nunca não podemos dissociar a politica dos meios de comunicação social.

São eles, para o bem ou para o mal, que nos ajudam a formar uma opinião sobre este ou aquele assunto e a política como um dos assuntos nucleares da sociedade civil não foge a isso. São eles que transportam as notícias, para com base nelas se possam tirar conclusões. E nisso nada contra, mas hoje em pleno séc. XXI será que podemos confiar em todas as fontes de notícias, mesmo aquelas que sempre se apresentaram como credíveis?

A meu ver a resposta é óbvia. Não, não podemos confiar.

Desde do pequeno jornal controlado pela política local, que escolhe quem é mais amigo para escrever as notícias, até a um grande grupo de comunicação social, não podemos tê-la como 100% credível e muito menos como fonte neutra de informação.

Não só nas Fake News, que alguns sites duvidosos apresentam, estes meios de comunicação social que temos como mais ou menos credíveis têm o poder de decidir que informação quer passar para as pessoas e de decidir qual a maneira como a transmitem para seu interesse.

Com o passar do tempo podemos ver que certa comunicação mais afeta a esquerda ou direita passa a informação como lhes der mais jeito a eles e não ás pessoas de maneira a moldar as opiniões. E não que seja contra grupos de comunicação á direita ou á esquerda mas ou é assumidamente tendenciosa, como acontece nos Estados Unidos da América e no Reino Unido onde esses meios não escondem a sua preferência e ideologia ou então tem de ser neutra.

Em Portugal, quase todos os meios de comunicação social se dizem neutros, mas basta estar atento a 10 minutos de programação noticiosa ou olhar para os quadros desses meios e imediatamente podemos começar a pensar que a neutralidade é pouca ou mesmo nenhuma.

Com esses meios de comunicação social a se assumirem como neutros, de esquerda ou de direita, poderíamos assim escolher que tipo de informação queremos ouvir e não algo que é “encapotadamente” neutral só para ser politicamente correto.

O que me levou a escrever este pequeno texto foi olhar a minha volta, e pensar que sou um felizardo por puder escolher aquilo que chega até mim e poder fazer as escolhas as escolhas para mim mais acertadas. Nem toda a população tem acesso á internet, nem todas as pessoas têm computador, basta olhar para o nosso envelhecido distrito e pensar nisso. Até a desneutralização dos meios de comunicação social essas pessoas têm de levar com meios pouco neutrais e sem outro tipo de meio para chegar a verdade ou a uma verdade que nos é vendida a preço de alguma coisa.

Até la existe solução para os felizardos como eu? Sim, selecionar a informação que recebemos, se pudermos saber mais e investigar sobre esse tema para saber se ele é verdadeiro ou tem fundamento e rigor, e depois disso sim, tirar as nossas próprias ilações.

Os meios de comunicação social tradicionais estão cheios de Opinion Makers pagos para dar a sua opinião e salvo algumas exceções mais técnica o que conta é a sua opinião, forme a sua opinião pela sua cabeça e com isso seja o seu próprio Opinion Maker.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *