Blog

Compromisso com Futuro

No dia 6 de julho, temos eleições marcadas para a Comissão Politica Distrital do PSD Castelo Branco, num momento definidor e particularmente único na vida do maior partido português na Beira Baixa. Definidor porque em termos políticos acontece num momento de mudança da nossa sociedade, da mudança geracional. A forma de fazer política de há 20 anos atrás não é a mesma forma de fazer política dos dias de hoje.

Na política do século XXI, qualquer um de nós pode emitir a sua opinião e influenciar milhares de pessoas através das redes sociais. Há 20 anos atrás, ao emitirmos a nossa opinião, apenas podíamos influenciar quem estava na nossa roda de amigos e conhecidos.

Na política do século XXI, o conteúdo continua a ser o mais importante, mas a importância da forma tem vindo a aumentar sobremaneira. Há 20 anos atrás, apenas o conteúdo contava.

Na política do século XXI, não basta a política de púlpito, tem de se apostar na política de proximidade, real e virtual, na política do exemplo, na coerência. Hoje é muito fácil ser escrutinado pelo cidadão, no que se diz, como se diz, no exemplo positivo ou negativo. Há 20 anos atrás, a retórica de púlpito conquistava multidões, mesmo que o exemplo prático não correspondesse ao teórico.

Na política do século XXI, não existem homens providenciais, existem pessoas normais com vontades providenciais. Há 20 anos atrás, existiam homens providenciais com vontades normais.

Hoje o Pais, o Distrito e os nossos 11 concelhos são o resultado de 20 anos de políticas que não corresponderam aos legítimos interesses da sociedade atual. Não sou eu que o digo, é a Sociedade.

Agravaram-se problemas demográficos que há 20 anos atrás se começaram a manifestar, aumentou a dificuldade na atração de empresas, na fixação de quadros qualificados, aumentaram os custos de contexto com a introdução de portagens na A23. Os atores políticos de hoje não se podem orgulhar do Século XXI que deixaram aos novos decisores políticos que ai vem.

Mas para além de definidor, diria eu único. Sim, verdadeiramente único, porque é o primeiro momento de renovação geracional da história do PSD Castelo Branco, num ciclo que começou em 2013, através da limitação dos mandatos autárquicos e que se prolongou por 2017, terminando em 2021. Em 2021, com a mudança de ciclo no Município da Sertã, todas as Câmaras Municipais do Distrito de Castelo Branco terão mudado obrigatoriamente de ciclos presidenciáveis, fruto da limitação de mandatos, obrigando os partidos políticos a trabalharem de forma afincada para a renovação dos seus quadros políticos e das suas sucessões, num refrescar geracional alcançado com sucesso em Vila de Rei, no Fundão, e noutra escala, mas com igual sucesso na mudança de presidência em Oleiros. E sabemos bem da importância da matriz autárquica na renovação geracional e de quadros nos partidos políticos.

Hoje vivemos tempos de mudança. Profunda e constante. O mundo mudou, a política mudou.

O PSD quer continuar a ser um partido aberto, de liberdade, congregador e respeitador da diferença e, por isso, capaz de integrar e acolher os sectores mais dinâmicos e interventivos da sociedade. Nesse sentido, iremos criar um Think Tank que possa acolher os melhores quadros do Distrito de Castelo Branco e com eles e os nossos companheiros, possamos construir um melhor Distrito.

Porque só com todos os companheiros podemos ambicionar ser a alternativa governativa que o nosso Distrito e o nosso país precisam e merecem.

Porque essa é a natureza que está inscrita na matriz política de um partido como o Partido Social Democrata, a ambição sempre de liderar, decidir, dinamizar, planear e construir. É isso que as companheiras e companheiros, militantes do Partido Social Democrata desejam.

Neste sentido, é necessário reconhecer a urgência de estabelecer a matriz social-democrata como a matriz capaz de devolver ao Distrito e aos seus habitantes o caminho do futuro, do progresso e do desenvolvimento.

Este é o nosso principal desafio, criar um projeto que corresponda aos anseios de todos aqueles que nasceram e/ou escolheram a Beira Baixa para desenvolverem a sua vida pessoal e/ou profissional.

Daremos voz ao distrito dentro do Partido Social Democrata e do País. A Distrital do PSD será o eixo agregador de todos os eleitos pelo nosso partido, quer a nível nacional, municipal e de freguesia. Valorizamos todos os que têm concorrido nas listas do PSD em prol da nossa região, das suas cidades, vilas e aldeias.

O PSD distrital tem por missão trabalhar com as concelhias, reactivar a concelhia de Vila Velha de Rodão e dinamizar as restantes. Mas, para além do trabalho no distrito de Castelo Branco, estamos prontos a colaborar com as distritais que enfrentam, como nós, os desafios da interioridade: a desertificação, o despovoamento, a falta de investimento do Governo Central, a falta de emprego qualificado, a falta de serviços e a perda de representatividade na Assembleia da República.

São desafios que nos são comuns, e com a colaboração das Distritais da Guarda e Portalegre serão mais fáceis de ultrapassar.

O nosso código genético tem na sua essência o reformismo democrático, a defesa intransigente do Estado e dos seus serviços, da transparência administrativa, do bem-estar social, da exigência educativa, de uma nova visão ambiental, da importância do desenvolvimento económico, cultural, desportivo e turístico.

Serão os nossos eixos estratégicos, pilares do nosso plano de atividades e discussão politica. Pretendemos ser geradores de consensos e promotores de desenvolvimento de novas formas de agir sem receio de preparar o futuro.

Para isso, é necessário que os sociais-democratas estejam disponíveis para integrar um projeto coletivo onde TODOS têm lugar.

Este é o momento de, a uma só voz, assumirmos um “Compromisso com Futuro”. Com o nosso Futuro, com o Futuro de todos os Beirões.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *